30.2 C
Manaus
Manaus, 23 de outubro de 2018

Prefeitura de SP entra na Justiça contra caminhoneiros e a multa diária é de R$ 1 mi

A Prefeitura de São Paulo entrou na Justiça contra o protesto dos caminhoneiros que bloqueiam as principais rodovias da capital e impedem o abastecimento de combustíveis na maior cidade do Brasil.

O documento, assinado pelo procurador do município de São Paulo, William Alexandre Calado, pede que o Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens e Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo, William Alexandre Calado, pede que o Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens e Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo e Região cesse imediatamente os atos que estão impedindo a saída de veículos destinados ao abastecimento da frota de ônibus da cidade e dos veículos envolvidos em serviços essenciais, como limpeza urbana e ambulâncias do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

O procurador pede uma decisão em caráter liminar, por sua urgência, e que a Justiça estabeleça multa diária de R$ 1 milhão em caso de descumprimento. “O valor proposto leva em conta não apenas o necessário efeito inibitório, como a extensão dos prejuízos causados à população”, informa o documento.

A gestão municipal evoca no texto o caráter essencial do transporte público exposto na Constituição Federal como argumento e diz que vai entrar com uma ação civil pública com “pedido de ressarcimento aos cofres públicos pelos danos causados e suportados injustamente pela população da cidade”.

Segundo o procurador, serviços municipais essenciais como o transporte público e a limpeza urbana, começaram a sofrer as consequências do protesto. O documento diz que, apesar de medidas paliativas estarem sendo tomadas, como a suspensão do rodízio municipal e o reforço das equipes de fiscalização e orientação do trânsito, isso tem eficácia limitada e que, se a situação atual for mantida haverá, paulatinamente, o colapso de vários serviços públicos.

A prefeitura informa que todas as ambulâncias do Samu foram abastecidas estrategicamente entre a noite da quarta-feira (23) e a manhã de hoje, e que foi feita uma reserva de combustível para possíveis faltas. Por isso, por ora, o serviço funciona normalmente.

“Amanhã deveremos ter restrições na coleta de lixo”, diz o procurador. A falta de combustível vai afetar, segundo a prefeitura, nos próximos dias as ambulâncias do Samu, os carros da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), o Atende (Serviço de Atendimento Especial), e o transporte escolar gratuito.

Notícias Relacionadas

PF investiga grupo que fraudava fundos de Previdência de municípios do Pará

Celso

Pesquisa revela que Brasil tem 12,7 milhões de desempregados

Celso

MEI pagará multa para ficar no Simples Nacional

Redator Tucumã
%d blogueiros gostam disto: